Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A sina, o caminho, ou simplesmente uma história. Um caminho igual a tantos outros, ou, uma história de vida, semelhante a tantas outras vidas. Uma história vivida, ou apenas fruto da minha imaginação.


13
Mai19

Longo Caminho para Casa - Catorze

por Longocaminhoparacasa

                14

 

Num dia de sol brilhante, ela acorda com um telefonema…
- Preciso ver-te, amor…
Na sua cabeça fez-se luz…
Seria aquele o momento da despedida…
Havia de aprender alguma coisa desta lição…
Assim o fez…
O dia estava lindo, a tarde tornou-se quente e nos olhos dele, ela sentia o brilho dos seus, desenhados numa mensagem de despedida…
Quando fecha os olhos ainda sente o cheiro a relva cortada. O azul do céu. As guardas à porta do Palácio.
O cheirinho aos pasteis que ficaram com o nome do lugar.
O rio.
O rio que tantas vezes foi testemunha, dos nossos passeios.
As mãos entrelaçaram-se como nunca, como quem, não quer largar.
O beijo de despedida num até amanhã.
Sem saber bem qual.
O olhar. O olhar disse tudo o que da boca não saiu.
O coração percebeu. A cabeça esfregou na razão, o que o coração não queria ouvir.
Mas o coração percebeu, e as lagrimas fugiram-lhe dos olhos, lavando-lhe o rosto.
Passaram-se semanas, até tomar consciência de que existia.
Passadas umas semanas, e alguns telefonemas e sms, não atendidos ou respondidos, ela percebe que chegou o momento de tirar, de levantar o escudo… E enfrentar a dor que já não conseguia esconder.
- Sabes onde estou?
- Sei, estás em casa, que é onde deves estar…
- Na nossa?
- Não, não TUA…
- Calma amor, precisamos de conversar.
- Não há nada para conversar… Só mais uma coisa, podias e devias ter-te despedido de outra forma… Por palavras podias ter-me dito que ias para casa…
- Primeiro, não podia, porque não me despedi, nem despeço de ti nunca;
Segundo, não vim para casa, porque a minha casa não é esta…
- Problema teu…. Beijo vou desligar
- Amor, não desligues, vou a Lisboa amanhã, ok?
- Podes vir quando e as vezes que quiseres, mas a minha companhia, nunca mais vais ter. Pelo menos, não vais ter como e da forma que tiveste…
E assim se baixa um escudo….
Mesmo sem se aperceber Maria deixava falar o coração.
- Maria, por favor, não fales assim… Não queres que eu vá, eu não vou. Tens toda a razão em estar magoada, eu percebo-te… Precisas de tempo, mas promete-me amor, quando vieres cá, vamos conversar os dois… Está bem? Estás ai? Ainda estás aí amor? Prometes amor?
- Estou! Adeus, até sempre, beijo e sê feliz
CLR
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:48



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D